Canal do Poder

Home /

Notícias

Pavan repercute na Alesc denúncia caluniosa na reta final das eleições

Terça-feira, 4 de outubro de 2016, 20h49min

Ao agradecer, em plenário, os votos recebidos como candidato a prefeito de Balneário Camboriú e parabenizar o prefeito eleito Fabrício de Oliveira (PSB), o deputado estadual Leonel Pavan (PSDB) repercutiu incidente ocorrido às vésperas da eleição na cidade envolvendo seu filho Leonel Junior Pavan, presidente do partido, vítima de denunciação caluniosa com fins eleitorais.

“Não quer dizer que tenha influenciado no resultado da eleição, mas o registro é necessário pela indignação diante dos fatos ocorridos e pelo uso, por terceiros, de forma irresponsável, dos serviços da Polícia Militar, que é uma instituição pública do estado”, afirmou.

O deputado também exibiu um vídeo montado e disseminado nas redes sociais por anônimos dando a entender que teria havido um flagrante policial por compra de votos.

Na seqüência, mostrou o pronunciamento público do Comandante do 12o Batalhão da Policia Militar de Balneário Camboriu Tenente Coronel Jose

Evaldo Hoffmann esclarecendo a ocorrência com o aval do Ministério Público Eleitoral.

No vídeo exibido, o comandante confirma que a Policia Militar foi usada para promover uma denuncia falsa de cunho político.

A armação aconteceu por meio de uma denuncia anônima, feita por ligação de telefone publico e mobilizou os policiais militares para abordagem do veiculo onde estava Leonel Junior Pavan e amigos.

Nada foi constatado, porém, o ato foi filmado por pessoas que já esperavam no local da abordagem e as cenas do procedimento padrão da PM foram divulgadas nas redes sociais como se fosse flagrante de crime eleitoral.

Ainda conforme o vídeo, o comandante da PM repudiou a encenação ocorrida, observando que causou desgaste na imagem da instituição e que os fatos continuarão sendo apurados.

O deputado Leonel Pavan acrescentou que a Polícia Federal também foi acionada para investigar  possível ocorrência de crime eleitoral e a  punição dos responsáveis.

“Tais fatos “não podem passar em branco pela gravidade do ocorrido e em nome de todos que realizaram uma campanha limpa e propositiva”, concluiu.